domingo, 27 de janeiro de 2013

M1276 - Major-General Jaime Neves, Combatente por Portugal e herói do 25 de Novembro, morre aos 73 anos

HERÓI DE PORTUGAL 

Neste arrasador momento, apresentamos as mais sentidas condolências à sua querida família.


Os portugueses que se dignam e amantes das diversas formas de liberdade desta Pátria estão enlutados, pelo falecimento de um herói nacional - General Jaime Neves -, pactuavam nas diversas formas de liberdade da Pátria de Portugal.

Major-General Jaime Neves 
Combatente por Portugal e herói do 25 de Novembro, morre aos 73 anos

Faleceu este domingo, o distinto Comandante do Regimento de Comandos da Amadora, o Grande Herói do combate contra a tentativa de escravatura, pela imposição de uma ditadura comunista/pró-soviética em Portugal, em 25 de Novembro de 1975.

Fonte do exército disse à Lusa que o Major-General Jaime Neves morreu por volta das 06h00, em consequência de problemas respiratórios. 

O funeral do General Jaime Neves, que faleceu hoje no Hospital Militar, em Lisboa, realiza-se segunda-feira ao início da tarde, no cemitério do Alto de São João, após uma missa na Academia Militar, pelas 14h00. 

Jaime Neves tinha 76 anos e o seu percurso militar ficou marcado pelo carácter decisivo que teve no golpe de 25 de Novembro de 1975, operação em que comandou o Regimento de Comandos. 

Na Historia dos primeiros anos de democracia em Portugal, após o 25 de Abril de 1974, o 25 de Novembro de 1975 representa o fim do Processo Revolucionário em Curso (PREC / pró-soviético). 

Em Julho de 1995, o então Presidente da República Mário Soares, agraciou Jaime Neves com a Ordem de Torre e Espada. 

Já em 2009, por proposta do antigo Chefe de Estado Ramalho Eanes e do General Rocha Vieira, Jaime Neves foi promovido a Major-General pelo Presidente da República, Cavaco Silva.

Que a sua alma descanse na paz do Senhor.

Foi um Libertador da Pátria e será para sempre um Combatente por Portugal!

O que foi o 25 de Novembro? Ver em:

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

M1275 - RANGER Manuel Anselmo F. G. Vieira, do 4º Curso de 1968


Nesta imensa e fraterna parada virtual, todos os RANGERS podem formar lado-a-lado e enviar-nos as suas fotos dos tempos da tropa e textos, para aqui serem publicados. 



Hoje apresenta-se o RANGER Manuel Anselmo F. G. Vieira, do 4º Curso de 1968 

Entrei nas Caldas da Raínha para a recruta (como instruendo) em 15/07/1968 no RI 5, no curso de sargentos milicianos e o meu número era o 3.600, tanto que na brincadeira os nossos camaradas de recruta mais próximos apelidaram-me de “português suave”, porque o preço desses cigarros era 36$00 (escudos) que se dizia na época 3600 “reais”.
Quase ao final da recruta lá nas Caldas da Rainha fui escolhido/selecionado para fazer as provas de admissão de passagem ao curso de oficiais e fui classificado.

Assim fui colocado no CIOE (RI 9) e lá estive de Setembro a Dezembro de 1968, tendo passado no curso em 15º lugar com uma nota de 15,18 valores.

Em 06/01/1969 (data oficial da promoção a aspirante) fui colocado do Regimento de Cavalaria 7 (Caçada da Ajuda – Lisboa).

Alí formámos a companhia de cavalaria nº 2563, que depois da instrução foi mobilizada para Angola como companhia independente, e embarcámos em 21 de Julho de 1969 no navio Vera Cruz, 164 homens pois não levávamos o 15º que seria o médico, que nunca tivemos.

Estivemos no Campo Militar do Grafanil em Luanda cerca de duas semanas à espera de saber onde íamos ser colocados, fomos até vacinados contra a doença do sono (picadura da mosca tsé-tsé) e achamos que iríamos para o norte, lugar onde existia essa doença.

Ao 11º dia de estadia no Grafanil vimos chegar uns camiões civis e militares (berliets) com uma série de caixões com mortos e na ordem do dia desse dia soubemos ter sido mobilizados para de onde vinham aqueles mortos (MUNHANGO), lá para o leste, um pouco antes do LUSO, deslocamento feito em camiões militares e civis demorando três dias para lá chegar e lá estivemos 27 meses.

Como eu era o comandante do primeiro pelotão, quando o então capitão se ausentava por motivos diversos (e eram muitos porque ele era um medroso e cobarde), era eu que comandava a companhia.

Como o exército quis fazer uma experiência com tropa a cavalo, fui colocado (apenas para treinamento) junto com 60 soldados no Grupo de Cavalaria 1 (Dragões) na cidade de Silva Porto (hoje chama-se KUITO) na província do Bié, tendo depois voltado ao Munhango e lá construido duas cavalariças, uma de pau a pique e coberta de capim e outra de tijolo, para albergarmos os cavalos.

A história dos cavalos não evitava que de vez em quando não fizéssemos na mesma as operações a pé.

Como tínhamos um Grupo Especial (autóctenes voluntários e pagos pelo exército português) que usávamos como tropa (treinamo-los melhor do que estavam) e não como carregadores como muitos camarados nossos (não na minha companhia) fizeram ants e depois de nós, era eu o comandante deles.

Voltámos a Portugal (e eu a comandar a companhia) com 160 homens (três soldados morreram e o capitão ficou em Angola castigado por se “desenfiar” porque eu fiz queixa dele), passei à disponibilidade em 18/10/1971 e fui promovido a tenente miliciano na disponibilidade em 01/12/1972.

Se olharem algumas fotos minhas daquele tempo verificarão que, na boina que na época era castanha, usava as armas (espadas) da unidade onde estava, mas nunca coloquei o número desse regimento ou da companhia e sempre as letras COE acima das espadas.

Cumprimentos,
Anselmo 


 Em Penude

Com o furriel também OEs


Um ranger é capaz de fazer tudo

domingo, 6 de janeiro de 2013