terça-feira, 17 de maio de 2011

M337 - 10 de Junho de 2011 - Dia de Portugal - Programa final


Cumprindo a tradição que se vem mantendo já há muito anos a esta parte, mais uma vez este ano prestaremos a nossa mais sentida e merecida homenagem a todos os heróis que tombaram na Guerra de África - 1962-1975 -, e, em especial, aos nossos valorosos e saudosos Homens de Operações Especiais.

De acordo com o RANGER Rui Souto, fica assim estabelecido o programa para o pessoal que desloca desde Viana do Castelo.
Partida de Viana do Castelo, no dia 10 de junho, pelas 04H00, paragem no Porto às 05H00.

Junção do pessoal do Porto e partida para Lisboa.

Participação nas cerimónias e, no fim destas, desfile dos RANGERS presentes, até junto do Monumento para o grito RANGER, em homenagem a todos os Combatentes da Guerra, já falecidos e vivos.

Almoço no jardim local, com os nossos farnéis eventualmente acrescido, com os alimentos que são fornecidos, a preços módicos no local, pela organização oficial das cerimónias.

No fim do almoço, cerca das 17H00, partida para Santarém para uma visita à Feira Agrícola.

No fim doa visita... regresso a casa!

Os interessados devem inscrever-se ligando para:

RANGER Rui Souto: 968 456 509, ou
RANGER Magalhães Ribeiro: 965 059 516

CURIOSIDADE HISTÓRICA: Para quem gosta de História de Portugal, recebi uma mensagem de um Amigo ex-Conbatente, estudioso, investigador e analista do nosso período histórico relativo à Guerra de África, informando que, segundo as suas conclusões fidedignas e insuspeitas, por ele recolhidas, a afirmação de que a Guerra de África decorreu entre 1962 e 1975 -, não é correcta pela simples razão, de que os ataques à soberania do Estado Português nas ex-Províncias africanas, se iniciaram no Verão de 1954, na Índia (dois polícias assassinados por "satyagrahis" no enclave de Damão), além do que no Memorial Nacional constam nomes de militares mortos-em-campanha, não apenas no Ultramar Português em África mas em outras latitudes, desde 1955 até 1975.

NOTAS DE MR:

JAMAIS ESQUEÇAM: O 10 de Junho é um Feriado Nacional destinado única e escialmente para Comemorar Portugal, não para ir à pesca, para a praia, ou qualquer outro entretem ou ocupação terceira.

TODOS OS PORTUGUESES, QUE SE DIGNAM DE O SER, DEVEM ISSO AOS NOSSOS JOVENS FALECIDOS NA GUERRA DE ÁFRICA!

TODOS OS COMBATENTES DEVEM ISSO AOS SEUS CAMARADAS MORTOS!
POVO QUE NÃO HONRA OS SEUS MORTOS NAS GUERRAS É POVO SEM MEMÓRIA, SEM PASSADO E SEM FUTURO!

Quem não quiser comemorar Portugal, ESTÁ NO SEU DIREITO DEMOCRÁTICO, mas então seja DIGNO E HONESTO e diga ao seu patrão/chefe que QUER IR TRABALHAR nesse dia! É de Homem e é também de um bom PORTUGUÊS!
VIVA PORTUGAL!

2 comentários:

Abreu dos Santos (senior) disse...

Um "Ranger" - isto é -, qualquer veterano que se dê ao respeito público, não deveria apresentar-se, num cerimonial solene, em preparos tais como os verificados em precedentes Encontros Nacionais dos Combatentes, de que é (mau) exemplo o supra registado em 2008.
Se pretendem desfilar junto ao Lapidário Nominal Nacional aos Mortos na Guerra do Ultramar, exorto o meu pessoal amigo Eduardo Magalhães Ribeiro e demais associados da AOE, a que o façam, não em t-shirt nem em fraldas-de-camisa, sim em "fato de domingo", equivalente à nossa antiga "farda nº1".
Por muita canícula que no "10 de Junho" possa ocorrer, perto da Torre de Belém e do Monumento Nacional aos Combatentes do Ultramar, a ocasião merece-nos - sempre - o singular "sacro ofício" de fato-e-gravata; com boina, e condecorações, sff.
Abraço,
J.C. Abreu dos Santos

Abreu dos Santos (senior) disse...

Caro Magalhães Ribeiro,

O seu amigo tem razão: a nossa actividade de contra-guerrilha, no Ultramar africano, não teve início em 1962 mas sim em 1961, logo após a eclosão terrorista lançada nos Dembos, ao entardecer de 14 de Março de 1961.

Abraço,
JCAS