sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

M191 - RANGER Humberto Carneiro Fernandes Duarte – 4º Curso de Operações Especiais de 1972 (Parte 1)



RANGER Humberto Carneiro Fernandes Duarte – 4º Curso de Operações Especiais de 1972

Parte 1

Repartida em 2 mensagens, apresento a minha homenagem a um RANGER, que se orgulha de o ser em toda a sua dignidade e respeito.

É um dos nossos melhores Homens, que, honrando a nossa Unidade mãe, o C.I.O.E. (Centro de Instrução de Operações Especiais), cumpriu o melhor que sabia e podia, a sua comissão militar em África, na Guerra do Ultramar, tendo no pensamento os dois mais altos desígnios, que são incutidos na instrução de um RANGER Português: Vontade e Valor.

Segue-se a 1ª parte da uma mensagem enviada pelo próprio Humberto, estando a segunda parte no poste a seguir M190:

Em fins de Outubro, início de Novembro de 2009, tive conhecimento que tinha chegado o momento de iniciar a minha última batalha nesta vida.

Sentado, olhando o mar, sempre de cigarro na mão faço aqui, para os meus Amigos e Camaradas, uma retrospectiva da minha passagem por esta vida.

Quem sou eu?

Nasci a 30 de Abril de 1951, em casa, não sou homem de aviário.


Entre os anos de 1962 e 1970/71, estudei no Lar Académico de Filhos de Oficiais e Sargentos - L.A.F.O.S., em Oeiras e, desse tempo, recordo bons tempos e bons amigos.

Adorava correr e fi-lo muitos vezes com a camisola do Sporting, embora eu dissesse em todos os lados que era Benfiquista (tradição de familia), mas o que é certo, é que me empolgava mais, quando ia ao estádio José Alvalade. 

Cerrei presunto, tinhamos um conjunto no Lar e cheguei a tocar com alguns dos que hoje são conhecidos. Cabelo comprido, olhos azuis… as miúdas ficavam loucas.



A Ana (minha actual esposa), que nessa altura vivia lá para as bandas de Moçambique, diz que ainda bem que era assim, porque nessa altura eu era um “Betinho de Oeiras” e ela nunca gostou, nem gosta de “Betinhos”. Além disso, era contra a guerra, só queria viver e deixar viver os outros.

Só que, ensinaram-me desde miúdo, que era preciso defender o País, como ensinaram muitos outros milhares de portugueses, e eu, tal como eles, fui incorporado na tropa, e, já que tinha de ir para o Ultramar, pesnei que fosse ao menos com a melhor preparação possível e escolhi os “Comandos”. 

Enviaram-me então para Lamego (1972), para uma tropa que eu nem sequer tinha ouvido falar alguma vez – Os Rangers. Ingeressei assim no 4ºcurso de 1972, do qual guardo apenas uma fotografia, já bem velhinha.


Muitos anos mais tarde, numa visita que fiz à A.O.E. (Associação de Operações Especiais), constatei no arquivo ali existente que obtive uma classificação final de 15,85 valores (numa escala de 0 a 16).

Já era casado e acabei esse curso em Dezembro.

Como “prémio” nasceu-me a minha filha em Janeiro de 1973.

Fazendo parte da CCS doo BCAÇ 4514, formado no RI15 (Tomar), embarquei em Lisboa para a Guiné (para a qual fui entretanto mobilizado), em 03 de Abril de 1973. Desembarquei em Bissau, no dia 09 de Abril de 1973.




































Seguem-se algumas fotos das minhas “férias” na Guiné”.


Regressei a Lisboa em 08 de Setembro de 1974.

Quem por estes factos, ou fotos, me reconhecer, e quiser entrar em contacto comigo, ligue para 916 716 812.

O texto foi escrito pela Ana Duarte (minha esposa) e “censurado” cá pelo rapaz.

Um Bem Haja para todos e um Abraço Amigo,

Humberto Carneiro Fernandes Duarte


Parte 2 a seguir na M190

3 comentários:

ANTÓNIO SANTOS disse...

POIS É... A VIDA PREGA-NOS ÀS VEZES, ALGUMAS PARTIDAS... um bom RANGER terá que enfrentar esse desígnio. Estou convicto que este nosso amigo saberá enfrentar com coragem mais esta pequena passagem da vida.

Ao meu amigo aqui deixo um grande abraço e que a sua esposa vá escrevendo para que este bom RANGER vá "sensurando" e publicando aquilo que é partilhado por ambos.

RANGER: António Santos

caboporto disse...

Como diz o RANGER Antonio Santos, a vida prega-nos
muitas partidas, mas um RAN-
GER nunca se rende, por isso
continua a "sensurar" pois é
bom sinal.
Dou-te um grande abraço e que a "sensurada" continue
a dizer coisas.
COMANDO Pereira Garcez
1°Curso Comandos Angola

Julio Vilar pereira Pinto disse...

Soube hoje que camarada nos deixou e partiu para outra vida.
Foi um bravo e um Homem, Paz à sua alma.
As minhas condolências a sua esposa e familia.