domingo, 27 de maio de 2012

M462 - RANGER Lino Ribeiro do 2º Curso de 1971 - Angola 1971/74


RANGER Lino Ribeiro
2º Curso de 1971
Angola 1971/74

Nesta parada virtual onde vamos formando aqui, lado a lado, independentemente das idades e dos cursos (todos serão bem-vindos).


Hoje apresenta-se o RANGER Lino Ribeiro do 2º Curso de 1971.

No tempo em que Portugal travava guerras nas suas províncias ultramarinas de Angola, Moçambique e Guiné - 1962 a 1975, o RANGER Lino cumpriu a sua parte como era exigido então a todo o cidadão português que atingia a maioridade, o Serviço Militar Obrigatório.

Tocou-lhe uma comissão militar em Angola, entre 1971 a 1974, integrado na Companhia de Artilharia 3454, do Batalhão de Artilharia 3861, nas zonas de Zala e Quinguengue.

Desses conturbados anos tem um vasto memorial fotográfico, que disponibilizou para colocar neste blogue.

Nesta mensagem expõem-se algumas fotos, que dão uma ideia exacta do tipo dos aquartelamentos portugueses, em África, durante o curso da guerra. 


Malange > Forte República > A indicação da localidade é ainda hoje usual em várias localidades do nosso país
A indicação das localidades mais "próximas" (uns 7.000 e tal quilómetros) também se viam à saída de muitos quarteis


 As placas memoriais com os emblemas e guiões das unidades, eram os testemunhos que tinham passado por ali em anos anteriores


Mais um belíssimo memorial


Nambuangongo > Alguns dos memoriais eram autênticas obras de arte
A mobilidade era então um apanágio dos militares que, carregando os seus tarecos às costas, em muitos casos lhes permitia conhecer outras localidades e outros povos, com os seus interessantes costumes e usos



As instalações, salvo raras excepções, eram resorts fabricados por soldados muito habilidosos dados os escassos recursos postos à disposição, mas eram muito visitados por cobras, lagartos e insectos de toda a espécie  

O aquartelamento de Zala, vendo-se da lado direito um acampamento improvisado, que serviu de abrigo aiuma companhia de Comandos que ali estacionou, na véspera da concretização de uma grande operação conjunta de tropas
O numeroso parque de viaturas, que se vê estacionado em linha, dá bem a ideia da quantidade de pessoal movimentado
Zala depois da saída das viaturas
Outro aspecto do quartel
Uma das partes mais estimada do quartel, pela malta mais desportiva, era o campo de futebol onde se começavam "peladinhas", com muitos jogadores supelentes (uma companhia tinha cerda de 150 homens e, geralmente, mais de metade gostava de jogar à bola) e só tinham fim ao escurecer - normalmente até à hora de jantar -, ou quando inimigo resolvia acabar com as "jogatinas", desestabilizando a paz e serenidade com os seus habituais "prazenteiros" ataques. Gandas malandros! 


MINI-GUIÃO: © Carlos Coutinho (2012). Direitos reservados.  
Fotos: © Lino Ribeiro (2012). Direitos reservados.  


1 comentário:

Carlos Pereira disse...

ranger lino ribeiro, estive em angola entre 1969 e 1971 em Nambuangongo de fevereiro a março de 70 e em massango/forte republica até fevereiro de 71. acontece que ao lêr no seu blog, pareceu-me que o companheiro terá estado no destacamento do quinguengue, bem como em massango. acontece que também lá estive e gostaria de ter 2 ou 3 fotos de ambos os lados já que não tenho nenhuma nem do destacamento nem do forte. assim tenho a ousadia de lhe pedir para que mas envie para o meu email carlape47@gmail.com. obrigado